Tire suas dúvidas sobre a febre amarela por Qual Farmácia

Tire suas dúvidas sobre a febre amarela

A febre amarela já havia sido erradicada do Brasil, mas desde 2016, os brasileiros têm enfrentado um grande surto da doença, envolvendo principalmente os estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais e Bahia. E embora os casos ainda sejam isolados, a doença vem se aproximando perigosamente em regiões vizinhas às áreas consideradas de risco.

Por esse motivo que, a partir da recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Ministério da Saúde adotou uma medida preventiva de realizar a campanha de vacinação com doses fracionadas (enquanto a padrão tem 0,5 ml, a fracionada tem 0,1 ml e protege por até 8 anos) para diminuir os riscos de transmissão. A ação será realizada entre os meses de fevereiro e março de 2018, em 75 municípios de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia.

No entanto, se você ainda tem dúvidas sobre a doença, no post de hoje vamos explicar como ocorre a transmissão da febre amarela, suas principais causas e sintomas e como evitar o contágio. Confira!

O que é a febre amarela?

A febre amarela é uma doença infecciosa causada por um vírus e transmitido por mosquitos vetores. Nesse contexto, também vale dizer que o vírus não é transmitido diretamente de pessoa para pessoa.

A infecção pode ser caracterizada por dois ciclos de transmissão: a silvestre, quando é transmitida em área rural ou de floresta pelo vírus Haemagogus e Sabethe; ou a urbana, quando é transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. Neste último caso, a doença pode ter caráter epidemiológica por sua gravidade clínica e potencial de disseminação em áreas urbanas infestadas pelo mosquito Aedes aegypti.

Normalmente, a doença é considerada aguda, febril e hemorrágica e recebe este nome, pois ela causa um amarelidão no corpo e provoca hemorragia em diversos graus.

As causas

Como dito anteriormente, existem dois ciclos da febre amarela. Na febre amarela silvestre, ocorre da seguinte forma: os mosquitos destas regiões se infectam picando primatas (macacos) que são hospedeiros da doença e podem transmitir a um humano que visite este habitat.

Já na febre amarela urbana, o humano infectado anteriormente pela febre amarela silvestre a transmite para mosquitos urbanos, como Aedes aegypti, que a espalham. No entanto, é fundamental salientar que em ambas, a doença é a mesma, o que diferencia é o ciclo de transmissão que quando descoberto auxilia nas estratégias para evitar a disseminação da febre amarela.

Os sintomas

Geralmente, os sintomas se manifestam em 3 a 6 dias após a infecção. Os mais comuns são: febre, calafrios, dor de cabeça intensa, dores nas costas e no corpo em geral, náuseas e vômitos, fadiga e fraqueza. Entretanto, em alguns casos, as pessoas melhoram após estes sintomas.

Outras pessoas, inclusive, durante a primeira semana em que foram infectadas, sequer sentem esses sinais e, dias depois, desenvolvem a doença de uma forma bem mais grave. Envolvendo febre alta, a amarelidão que citamos, dores abdominais, sangramento na boca, nariz, olhos ou estômago e, eventualmente, insuficiência dos múltiplos órgãos. Podendo chegar à morte.

Por isso, é muito importante ficar atento aos sintomas e procurar um médico na unidade de saúde mais próxima e informar, se necessário, caso tenha viajado para áreas de riscos nos 15 dias anteriores ao início dos sintomas. Além disso, também informe se você tomou a vacina contra a febre amarela.

Forma de tratamento

Atualmente, ainda não existe um medicamento específico para o tratamento da febre amarela. Assim, ao ser encaminhado ao hospital, o paciente recebe toda a assistência necessária para minimizar os seus sintomas. Sendo obrigatório ficar em repouso, passando pela reposição de líquidos e das perdas sanguíneas, quando indicado.

Nas formas graves, o paciente deve ser atendido em Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Nessas circunstâncias, geralmente, pode ser preciso a reposição do sangue perdido nas hemorragias, diálise para os rins afetados e controle geral para reduzir as complicações e o risco de óbito.

Os médicos também aconselham que devido ao risco da doença se desenvolver de forma hemorrágica, é importante evitar o uso de aspirina.

Prevenção

Desde abril de 2017, o Sistema Único de Saúde (SUS) do Brasil oferece vacina contra a febre amarela para a população. O esquema de vacinas consiste em apenas uma dose durante toda a vida. Toda pessoa que reside em Área com Recomendação da Vacina contra a doença e pessoas que irão viajar para essas áreas devem se imunizar.

Confira o Calendário de Vacinação de 2018 no site do Ministério da Saúde.

E aproveite para compartilhar entre os seus amigos e familiares este artigo!

Leia ϟ comentários

ϟ Comentários

Voltar Comentar