Tecnologia de saúde teste de HIV para fazer em casa por Qual Farmácia

Teste de HIV poderá ser feito em casa

Agora é realidade. O primeiro teste que pode ser feito por você mesmo para detectar a presença do vírus HIV no organismo, estará disponível até o final do mês de julho, em todo o Brasil. Criado pela Orangelife Comércio e Indústria, os primeiros kits foram vendidos às farmácias do estado do Rio de Janeiro.

Com essa novidade, o Brasil acaba de se tornar o primeiro país da América Latina e Caribe a comercializar o autoteste nas farmácias. A opção de poder realizá-lo em casa oferece maior comodidade e discrição as pessoas que se sentem receosas ou desconfortáveis em buscar o serviço público de saúde para serem testadas.

O produto chamado Action, custará entre R$60,00 e R$70,00 e poderá ser adquirido sem receita médica. Ele funciona de forma similar a testes de medição de glicose para diabéticos, contendo no kit um líquido reagente, uma lanceta (específica para o furinho no dedo), um sachê de álcool e um capilar (tubo para coleta do sangue).

Eficácia

O novo método foi aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), em maio deste ano, e apresentou efetividade de 99,9%. No entanto, o produto só é capaz de indicar a presença do HIV no corpo se for feito 30 dias após o contato sexual desprotegido.

Dessa forma, o resultado, que tem o objetivo de ser rápido e eficaz, leva em torno de 15 a 20 minutos para ficar pronto. Ele mostra em forma de linhas que indicam se há ou não a presença dos vírus que causam a Aids – o HIV-1 e o HIV-2.

Negativo x Positivo

De acordo com as recomendações do Ministério da Saúde, mesmo quando o resultado dá negativo, é necessário repetir o teste após 30, 60 e 90 dias depois da primeira realização, já que existe uma janela imunológica de até três meses. Essa “janela imunológica” diz respeito ao tempo que o organismo precisa para produzir os anticorpos contra o vírus invasor em quantidades suficientes e detectáveis pelo exame.

Já em casos em que o resultado do autoteste for positivo, é fundamental buscar assistência de uma unidade de saúde. O teste, apesar de ser uma ferramenta útil para o diagnóstico, não substitui a necessidade de confirmação por outros exames e o acompanhamento médico.

Lembrando que a Aids, ainda que seja uma doença considerada crônica, é absolutamente controlável. Atualmente, qualquer pessoa que seja diagnosticada com o HIV, pode levar uma vida absolutamente normal desde que faça o uso da medicação prescrita diariamente.

Tratamento

Com a chegada do autoteste, os pacientes soropositivos podem iniciar o tratamento o mais cedo possível, já que poderão descobrir o diagnóstico mais facilmente.

O Sistema Único de Saúde (SUS) disponibiliza gratuitamente os remédios antirretrovirais (fármacos utilizados para evitar a multiplicação do vírus HIV no organismo e para combater o enfraquecimento imunológico), necessários para tratar a doença. Dessa forma, a qualidade de vida e longevidade daqueles que precisam conviver com o HIV, é garantida.

Leia ϟ comentários

ϟ Comentários

Voltar Comentar