Quais as diferenças entre antialérgico e hipoalergênico? por Qual Farmácia

Quais as diferenças entre antialérgico e hipoalergênico?

Dados da Organização Mundial de Saúde estimam que a alergia afeta cerca de 35% dos brasileiros, uma porcentagem que têm aumentado significativamente nos últimos 40 anos.

Já a Organização Mundial da Alergia tem números ainda mais alarmantes: em todo o planeta, mais de 400 milhões de pessoas têm asma, e cerca de 40% da população sofre com a rinite alérgica (um dos tipos mais comuns de alergia).

Em países desenvolvidos, aproximadamente 6% das pessoas têm alergia a pelo menos um alimento; e 20% já apresentou algum sintoma de dermatite atópica pelo menos uma vez durante a vida.

Em todos esses casos, dois tipos de substâncias são utilizadas: antialérgicos e hipoalergênicos.

Quer saber mais sobre as alergias e as indicações para uso de antialérgico e hipoalergênicos? Continue a leitura deste post:

O que é alergia?

De forma simples, a alergia pode ser definida como um conjunto de reações causadas pela hipersensibilidade do organismo a certas substâncias.

Quando essa substância alergênica entra no corpo humano, nosso sistema imunológico a identifica e passa a colocar em ação todas as suas armas para destruí-la e expulsá-la. Podendo se manifestar de diversas formas, como coriza, espirros, dificuldade de respirar, vermelhidão, manchas e coceiras na pele, inchaço e até mesmo distúrbios gastrointestinais (no caso de alergias alimentares).

No caso da alergia, uma das armas é a produção de histamina, uma substância que causa a dilatação dos vasos sanguíneos e o acúmulo de água entre as células da região afetada.

Os principais tipos de alergia são:

Alergia alimentar

A alergia a determinados alimentos (como leite, amendoim e frutos do mar) costuma surgir na infância, mas pode se manifestar em qualquer fase da vida. Os sintomas incluem diarreia, vômitos, inchaço nos lábios e dificuldade para respirar.

Alergia de pele

Banho muito quente e demorado e o contato com alguns tipos de tecido (principalmente lã) são fatores que podem desencadear algumas alergias de pele. A melhor maneira de controlar a intensidade dos sintomas é hidratar a pele e evitar o uso de sabonete em excesso.

Alergia respiratória

Poeira, mofo, pólen e ácaros são os principais alérgenos causadores das alergias respiratórias (asma, rinite e sinusite). Presentes no ar, eles causam sintomas desagradáveis como tosse, coriza, coceira e espirros.

Alergia a medicamentos

A alergia a determinados medicamentos, muitas vezes, pode ser confundida com um efeito colateral. Por isso, é importante procurar orientação médica em caso de sintomas como náuseas, vômitos, inchaço, coceira no corpo ou dificuldade para respirar.

Alergia a picada de insetos

Borrachudos, formigas, carrapatos, pulgas e até pernilongos podem causar lesões na pele, coceira intensa e inchaço — sintomas característicos de alergia em pessoas sensíveis.

A prevenção e o tratamento das alergias normalmente se baseiam em evitar o contato ou exposição com o alérgeno e usar medicamentos ou produtos que agem diretamente nos sintomas.

Nesse sentido, muitas pessoas confundem a indicação para antialérgico e hipoalergênico. Entenda as diferenças:

O que são os antialérgicos?

Os antialérgicos são os responsáveis por combater alergias já estabelecidas. Por isso, são considerados medicamentos e devem ser indicados por um médico. Eles podem ser encontrados em diversas apresentações:

  • cremes;
  • pomadas;
  • comprimidos;
  • soluções orais;
  • injeções.

A sua principal função é combater os sintomas, gerando uma redução ou até mesmo a eliminação total do problema.

Quem sofre de alergia crônica ou quadros como asma e rinite ganha muito mais qualidade de vida ao fazer o uso dessas substâncias, pois consegue reverter o quadro rapidamente.

Os medicamentos antialérgicos também são chamados de anti-histamínicos e recebem esse nome por bloquear a ação da histamina. Assim, esses pacientes ficam livres de coceiras, coriza e até mesmo do perigoso choque anafilático que pode ocorrer em casos graves de alergias.

É importante ressaltar que o medicamento antialérgico não deve ser utilizado indiscriminadamente. Se a alergia estiver inflamada, por exemplo, pode ser necessária a administração de medicamentos anti-inflamatórios para acabar de uma vez por todas com o processo alérgico.

Por isso, todos os casos devem ser avaliados por um profissional, que é o responsável por indicar o medicamento mais eficaz para cada problema.

O que são os hipoalergênicos?

Como o número de pessoas que sofrem com quadros de alergia é muito grande, a indústria farmacêutica está sempre buscando formas de aumentar o conforto desses pacientes. Em alguns casos, as alergias são frequentes e estão associadas ao contato direto com algumas substâncias específicas.

No caso das alergias alimentares, por exemplo, os pães sem glúten e os leites sem lactose são bons exemplos de alimentos hipoalergênicos. A ideia por trás desses produtos é que seja retirada a maior quantidade de substâncias que possam causar alergias, deixando-o seguro para a maior parte da população.

A produção de alimentos para alérgicos deve observar diversos cuidados para garantir a sua segurança: as máquinas, os utensílios e os equipamentos utilizados na produção não podem ter nenhum contato com agentes alérgenos para evitar a contaminação cruzada.

Esmaltes, cremes, maquiagens, desodorantes antiperspirantes, sabonetes, injeções e até mesmo comprimidos são produzidos com essa finalidade, contendo em sua produção princípios ativos para evitar crises alérgicas.

Grande parte desses produtos é totalmente livre de corantes e conservantes artificiais (como parabenos, formaldeído e tolueno), substâncias que estão relacionadas à reações alérgicas em pessoas sensíveis.

Todavia, não é possível ter 100% de certeza que o produto não causará alergias, já que cada organismo se comporta de um jeito diferente.

Como prevenir alergias?

Usar produtos hipoalergênicos é um dos caminhos mais fáceis para reduzir o aparecimento de alergias. Normalmente, limitar a exposição aos agentes alérgenos é suficiente para controlar os sintomas.

Descubra alguns cuidados simples para evitar crises de alergia:

  • alergias alimentares: restringir o consumo de alimentos que desencadeiam os sintomas e consumir produtos voltados para alérgicos, livres das substâncias que provocam a alergia;
  • alergias respiratórias: manter a casa arejada e limpa, evitar o acúmulo de poeira, usar pano úmido na limpeza, evitar ambientes fechados, fumaça de cigarro e odores fortes (perfumes, tinta, materiais de limpeza);
  • alergias de pele: usar produtos hipoalergênicos em substituição aos causadores de alergias e hidratar a pele com cremes e loções específicas.

Porém, existem outras ações preventivas que podem contribuir com a saúde de pessoas alérgicas e sensíveis, como fazer consultas frequentes ao médico, evitar a automedicação e testar produtos cosméticos na pele antes de fazer o uso — especialmente no caso de maquiagens, tinturas de cabelo e outros produtos químicos que entram em contato direto com a pele.

Porém, no caso de surgimento de sintomas, é importante consultar um médico para fazer o diagnóstico e indicar o tipo de antialérgico que deve ser utilizado.

Não existe nada pior do que se arrastar de farmácia em farmácia procurando um medicamento durante uma crise de alergia, não é mesmo? Por isso, seja para comprar um antialérgico ou medicamentos com ação hipoalergênica, faça o download do Qual Farmácia e ganhe mais tempo para cuidar da sua saúde.

Tem ainda alguma dúvida sobre antialérgico e hipoalergênico? Compartilhe com a gente nos comentários!

Leia ϟ comentários

ϟ Comentários

Voltar Comentar