O que você precisa saber sobre o tratamento de canal por Lívia Kalil

O que você precisa saber sobre o tratamento de canal

Endodontia. Eis uma especialidade da odontologia com nome peculiar, mas que é fácil de explicar. Quer ver? Você já foi ao dentista e ouviu ele te recomendar que seria necessário um tratamento de canal? Muitas pessoas temem só de ouvir falar, não é mesmo? Porém é preciso tranquilizar-se, pois este é um procedimento realizado pela endodontia, que recupera a saúde bucal e melhora a qualidade de vida dos pacientes.

Mas, diante desse assunto, muitas dúvidas surgem. Afinal de contas, no que consiste exatamente o tratamento de canal? Quais precauções deve-se tomar para evitar esse tratamento? Pensando nisso que neste artigo respondo essas e outras questões em torno desse tema. Vamos lá!

O tratamento endodôntico (canal) é indicado em situações em que há danos na raiz e na polpa do dente, também conhecido como “nervo do dente”, ou com finalidade protética (como ocorre na realização de bloco ou coroas dentais). Geralmente, essas lesões ocorrem por grande exposição de dentina por cáries profundas, restaurações extensas, pulpites (inflamação da polpa), pericementite (como consequência de uma infecção profunda na polpa do dente) e por desgaste oclusal (bruxismo).

A importância do diagnóstico

Nesse sentido, para a indicação do tratamento de canal, primeiro é necessário o diagnóstico que deve ser feito de forma diferenciada através de testes de palpação, percussão e vitalidade (teste térmico do calor e do frio) e do Raio-X.

A palpação é um exame em que o especialista utiliza a ponta do dedo indicador para verificar se há alguma resposta dolorosa ou não na região pulpar do dente. Já a percussão indica se o paciente sente dor na mastigação. Neste caso, geralmente a resposta é positiva. Sendo necessária apenas a percussão com o cabo do espelho clínico que ao toque vertical e horizontal correspondem a uma parte do diagnóstico, indicando assim a inflamação na polpa do dente.

Como é feito o tratamento?

O dente é aberto para que seja feita a remoção da polpa dentária infeccionada. Em seguida, o dentista realiza a limpeza do canal que será preenchido com material restaurador. Em alguns casos, é realizada uma restauração temporária para a proteção do dente, caso o tratamento dure mais de uma ida ao dentista. Isso pode variar de pessoa para pessoa.

No final, o tratamento é finalizado com o preenchimento permanente da cavidade da polpa e dos canais do dente. Podendo ainda ser necessária a colocação de coroas com o intuito de oferecer uma aparência mais natural ao dente restaurado.

Cuidados durante o procedimento

Fique atento às condições do consultório do seu dentista! Podem aparecer inflamações recorrentes na região tratada se não forem seguidas normas de biossegurança ou se o elemento entrar em contato com bactérias. Em casos graves de abscesso, algumas vezes é necessário a intervenção médica antes para evitar bacteremia.

De modo geral, o tratamento endodôntico é um desafio constante na área da odontologia, pois apesar de toda tecnologia disponível para minimizar possíveis desconfortos, ainda trata-se de uma intervenção que abala o emocional de todo paciente.

Por isso, visite um dentista de sua confiança para que seja feita uma boa análise clínica e o diagnóstico correto. Em muitos casos, é preciso realizar um acompanhamento periódico, então é melhor buscar um profissional qualificado e que possa atendê-lo com paciência e zelo!

Após o procedimento

Para que o tratamento de canal seja um sucesso, também é necessário que você continue fazendo a sua parte no dia a dia! Logo, é bom não mastigar alimentos duros onde foi feito o tratamento. Mantenha uma boa escovação e o uso diário de fio dental.

Depois do procedimento o seu dentista pode também te indicar o uso de medicamentos para prevenir dores ou infecções generalizadas. Com a prescrição médica em mãos, adquira seus remédios pelo aplicativo Qual Farmácia, assim é garantia de saúde e economia!

Leia ϟ comentários

ϟ Comentários

Voltar Comentar