Jogos de realidade virtual podem ajudar a aliviar dor por Qual Farmácia

Jogos de realidade virtual podem ajudar a aliviar dor

Atualmente, a realidade virtual (do inglês, Virtual Reality) é uma tendência tecnológica comumente associada à área dos jogos e do entretenimento. Isso porque, em resumo, a inovação possibilita que o usuário entre num ambiente totalmente idêntico e simulado da realidade, por meio de dispositivos como óculos ou headsets, que reproduzem ao máximo em efeitos visuais e sonoros.

No entanto, aos poucos, essa tecnologia vem se expandindo a outros campos de atuação, como é o caso da medicina. Recentemente, cientistas da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, desenvolveram uma pesquisa a fim de avaliar a eficácia do uso desse dispositivo quando aplicado no tratamento de alguns pacientes que sentiam dores intensas e, até mesmo, na cura de diversas fobias e distúrbios, após serem expostos a situações traumáticas.

Mecanismo de defesa

Os cientistas partiram do princípio de que para além da dor física, esse sintoma também pode ser interpretado e agravado pelo fator psicológico. Porém, de modo geral, a dor se trata de um importante mecanismo de defesa do organismo. Ao senti-la, ela funciona como um alerta de que algo não está bem no nosso corpo ou há alguma agressão que pode ser prejudicial.

Com esse conhecimento em vista, os pesquisadores buscaram utilizar essa nova abordagem com o intuito de influenciar a mente humana, já que quanto mais uma pessoa se concentra na dor, pior ela se sente. Ao recriar essa sobrecarga sensorial usando a tecnologia VR, o cérebro muda de foco, fazendo com que o indivíduo diminua a capacidade de processar a dor e, por sua vez, tendo alívio.

Experimento

O principal estudo consistiu em criar um programa chamado Snoworld (em tradução literal, mundo da neve). O jogo foi pensado, principalmente, para ser testado em vítimas de queimaduras. Nessa experiência, o paciente é convidado a entrar num ambiente completamente gelado, onde há animais deste bioma e que ele pode interagir com os elementos ou apenas desfrutar do cenário.

O resultado é que os pacientes acabavam se distraindo, o que facilitava bastante, por exemplo, na hora da troca dos curativos que é extremamente dolorosa nessas circunstâncias. Segundo os estudiosos, isso ocorre porque é como se os circuitos da dor fossem desligados. Nesse sentido, o jogo em realidade virtual se mostrou em alguns casos mais eficiente do que o uso da morfina.

O mesmo grupo de cientistas também desenvolveram um outro programa que auxilia no tratamento da dor fantasma, esse tipo de acontecimento é comum em pacientes que sofreram amputações de membros. Nesse contexto, o jogo em VR tem contribuído a reconectar o cérebro dos pacientes com a realidade do membro amputado, permitindo alternativas terapêuticas de relaxamento e de controle da dor.

Ressalvas

Apesar do estudo ter se mostrado positivo, a adesão desse dispositivo como tratamento padrão a longo prazo ainda deve ser investigado. Afinal, e quando se trata da dor crônica? É possível que ao tirar os óculos ou o headset VR, o efeito dessa alternativa dure? Esses são alguns dos questionamentos que os próprios cientistas relatam na pesquisa.

A princípio, os defensores da realidade virtual acreditam que essa tecnologia pode oferecer uma grande vantagem em relação aos medicamentos, cujo o uso prolongado pode levar à tolerância e, em alguns casos, à dependência.

Leia ϟ comentários

ϟ Comentários

Voltar Comentar