Entenda os riscos da combinação de álcool e medicamentos por Qual Farmácia

Entenda os riscos da combinação de álcool e medicamentos

É de conhecimento geral que a combinação entre álcool e medicamentos não é recomendada pelos profissionais de saúde. Mesmo assim, muitas pessoas decidem transgredir essa determinação e acabam fazendo essa mistura sem entender seus perigos.

Acompanhe o post e saiba quão prejudicial pode ser essa combinação!

Sobrecarga hepática

O fígado é um dos órgãos mais afetados por essa combinação arriscada. Além dele metabolizar medicamentos específicos, como os anti-inflamatórios e analgésicos, ele também é responsável por processar o etanol (composto do álcool). Por isso, em casos mais graves, o consumo excessivo dessa mistura pode acarretar na falência hepática, que é quando o órgão deixa de funcionar.

Sonolência

A sonolência em excesso é uma das principais consequências da combinação do álcool com medicamentos de uso contínuo que atuam no sistema nervoso central (SNC), como antidepressivos e remédios para dormir.

Isso ocorre pois o álcool pode aumentar o efeito do remédio, causando também a diminuição da habilidade motora, tonturas e desmaios. Esse efeito também pode aparecer na combinação com medicamentos antialérgicos.

Diminuição ou potencialização do efeito

A ingestão de bebidas alcoólicas pode levar a uma diminuição ou potencialização dos efeitos de determinados remédios.

A diminuição está principalmente relacionada ao fato de o álcool ser diurético, fazendo com que mais princípios ativos sejam eliminados pela urina. Algumas medicações que podem ter sua ação diminuída são os antibióticos e os anticonvulsivantes.

A potencialização de medicamentos ocorre, muitas vezes,  porque o álcool tem ação depressora sobre o sistema nervoso central.

Hipoglicemia

Os pacientes diabéticos que utilizam insulina podem apresentar hipoglicemia após o consumo de álcool em excesso.

Isso acontece pois o álcool tem a capacidade de impedir a regulação do nível de glicose pelo fígado, que já está diminuída devido ao uso de insulina. De forma simples, podemos dizer que o fígado “se ocupa” em metabolizar o álcool e “se esquece” de enviar glicose ao sangue.

Portanto, os pacientes diabéticos que não possuem restrições médicas expressas para a ingestão de bebidas alcoólicas devem atentar-se as quantidades de consumo, pois as consequências podem ser até mesmo fatais.

Irritação estomacal

Medicamentos como analgésicos e anti-inflamatórios, por exemplo, podem causar irritação estomacal, pois possuem princípios ativos que impedem a produção de prostaglandina — hormônio responsável pela proteção do estômago contra aumento de acidez.

O consumo de álcool, por sua vez, também pode causar sensibilidade e irritação da mucosa do estômago, já que aumenta a liberação de ácido local.

Esses são alguns exemplos de efeitos colaterais causados por álcool e medicamentos quando usados em conjunto. Fica claro que essa combinação possui muitos riscos, portanto, vale a pena esperar o fim da cartela para ir para a mesa do bar.

E lembre-se que não é preciso se privar de beber uma cervejinha de vez em quando. Esses são alguns dos pequenos prazeres também de uma vida saudável, desde que seja de forma moderada e aprovada pelo seu médico.

Você gostou de saber mais sobre esse tema? Então aproveite para compartilhar este texto nas suas redes sociais. Assim, seus amigos também podem ficar por dentro do assunto!

Leia ϟ comentários

ϟ Comentários

Voltar Comentar