Descongestionantes nasais conheça os cuidados de quando e como usá-los por Qual Farmácia

Descongestionantes nasais: conheça os cuidados de quando e como usá-los

Não tem jeito! Com a chegada das estações frias e secas, a maioria das pessoas sofrem com as gripes provocadas pela baixa imunidade e, principalmente, com as temidas “ites” e demais doenças que afetam o sistema respiratório. Aí é um tal de funga para lá, funga para cá, espirros intermináveis e aquela sensação de falta de ar por causa do nariz entupido. E, muitas vezes, a melhor solução para aliviar esses sintomas é apelando para os descongestionantes nasais.

Por ser de fácil acesso nas prateleiras farmacêuticas, o que nem todo mundo imagina é que o uso excessivo e indiscriminado deste tipo de remédio pode ser prejudicial à saúde. Podendo inclusive acarretar em dependência. Por isso, confira neste artigo os principais cuidados que você deve tomar quando precisar recorrer aos descongestionantes nasais.

Entenda como funciona

Quando o nariz entope significa que os vasos sanguíneos, que constituem a mucosa nasal, estão dilatados, o que torna o ato de respirar mais difícil. Essa dilatação pode ser uma resposta do organismo a uma série de fatores que estão tentando invadir o nosso corpo, como: um vírus ou quaisquer substâncias que causam alergias – pólen, poeira ou bactérias.

Logo, nessas circunstâncias, algumas gotinhas de descongestionante nasal podem ser milagrosas ou extremamente perigosas. Isso ocorre porque os descongestionantes nasais são substâncias vasoconstritoras, ou seja, que em contato com a mucosa nasal diminuem o fluxo sanguíneo da região e, consequentemente, melhora o inchaço que provoca a sensação de nariz entupido.

Contudo, é neste ponto que o risco pode estar. A mucosa nasal absorve essas substâncias e se encarrega em distribuí-las por todo o organismo e, neste processo, como as substâncias vasoconstritoras atuam de forma semelhante à adrenalina produzida pelo corpo, elas podem causar efeitos colaterais, como por exemplo: a arritmia, taquicardia, pressão alta e a trombose.

Mito ou verdade

– Descongestionante nasal pode causar rinite medicamentosa.

Verdade. Esse distúrbio pode ser interpretado também com um efeito rebote do uso excessivo do remédio. Cada vez que o efeito do medicamento passa e você o reaplica, o cérebro passa a entender que o sistema de proteção não está funcionado e isso faz com que o seu organismo produza ainda mais muco nasal. Assim surge a rinite medicamentosa, um estado de obstrução nasal, mas sem secreção.

– Descongestionante nasal vicia.

Verdade. Algumas pessoas tendem a ficar dependentes de descongestionante nasal devido a um condicionamento físico e psicológico de alívio que o uso deste tipo de remédio proporciona. No entanto, quando o medicamento deixa de ter resultado, normalmente, as pessoas acabam buscando outros fármacos mais potentes a fim de sentir novamente essa sensação.

Esse fator também pode estar associado à pseudoefedrina, ingrediente ativo de vários descongestionantes, que pode ser facilmente transformado em metanfetamina, droga muito forte que provoca dependência. Por esse motivo que em alguns países os descongestionantes nasais só podem ser adquiridos com prescrição médica.

– Crianças podem usar descongestionantes nasais.

Mito. Até os 8 anos de idade, os médicos além de preferirem indicar o uso de nebulizadores, também recomendam lavar a mucosa com soro fisiológico. Para os quadros mais graves, substituem o uso de vasos constritores por corticoides (um grupo de medicamentos anti-inflamatórios muito utilizados para tratar doenças crônicas) aplicados por via tópica (diretamente na pele), pois são mais seguros e têm menos efeitos colaterais.

Use quando for realmente necessário

O Qual Farmácia sempre gosta de ressaltar que a automedicação é uma prática que pode oferecer riscos à saúde. Por isso, antes de usar qualquer medicamento, incluindo os descongestionantes nasais, consulte um médico ou peça a orientação de um farmacêutico no balcão de atendimento.

Somente um profissional pode avaliar cada caso individualmente e informar com precisão o tempo necessário de tratamento. Logo, evite o uso prolongado dos descongestionantes nasais!

Grávidas, idosos e crianças menores de 11 anos também devem receber atenção redobrada, pois podem ser sensíveis a alguma substância da fórmula. Leia sempre a bula.

E lembre-se: com a receita em mãos, adquira o seu medicamento pelo aplicativo Qual Farmácia! Assim, você compra sem precisar sair do lugar, economizando tempo e dinheiro.

Leia ϟ comentários

ϟ Comentários

Voltar Comentar